Acerca

Eu sou a prova provada de que estudar não compensa neste país e que as pessoas mais habilitadas são as mais sobrecarregadas no ensino e com a matéria onde menos se pode aplicar a especialização. Mesmo a posição na carreira também não conta.

Pode-se começar por observar no currículo, que ao longo dos anos adquiri uma vasta gama de experiências e formações, para além dos graus académicos com teses originais, isto é suportadas por investigação no terreno e sem plágio algum.

Link para os certificados

Tese de Doutoramento: Dispositivos de identidade na estatuária urbana europeia http://repositorio.ul.pt/handle/10451/2682

Curriculum Vitae – 2011

João Filipe do Carmo Vieira

Naturalidade: Sines, distrito de Setúbal

Data de Nascimento: 26 de Outubro de 1957

Situação Profissional

Professor do Quadro da Escola Secundária com 3º ciclo  Dr. José Afonso, Seixal.

Habilitações Académicas

Licenciatura em Escultura pela E.S.B.A.L. (actual Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa) em 1991, com média final de 14 valores.

Mestrado em Arte, Património e Restauro pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (Decreto-Lei n.º 216/92, de 13 de Outubro) em 2001, com a classificação final de Bom com Distinção. Defendeu a Tese que tem por título: Pedro Anjos Teixeira e a escultura no exterior.

Doutoramento em Belas-Artes, especialidade de Ciências da Arte, pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (Decreto-Lei n.º 216/92, de 13 de Outubro), em 2010, com a classificação final de Aprovado com Distinção. Defendeu a Tese que tem por título: Dispositivos de Identidade na Estatuária Urbana Europeia.

Habilitações Profissionais

1980/82 – Curso de Formação Artística na Sociedade Nacional de Belas Artes.

1982 – Curso de Cenografia promovido pelo INATEL.

1992/93 – Profissionalização para o Ensino Secundário na E.S.E. de Setúbal, com média final de 17 valores.

1994 – Formação em AutoCad 2D, com a duração de 40 horas pelo Centro de Formação Rui Grácio.

1994 – Participação em todas as sessões presenciais relativas ao acompanhamento do processo de formação de professores de que era corresponsável na E.S.E. de Setúbal.

1995 – Acção de formação em Observação de Aulas na E.S.E. de Setúbal.

1995 – Atelier de Formação Redes Informáticas e Edição Electrónica, pelo Instituto de Inovação Educacional.

1997 – Participação num seminário de Contacto Transnacional, organizado pela Instância Nacional de Coordenação do Programa Leonardo da Vinci, em Oeiras, bem como outros trabalhos no âmbito do mesmo programa, em representação da Escola Secundária José Afonso.

1997 – Participação na Conferência Internacional Os Surdos Olhando o Futuro, que se realizou no Auditório da Torre do Tombo em Lisboa, organizado pela Associação Portuguesa de Surdos e pela Associação de Famílias e Amigos dos Surdos.

1999 – Participação no II Curso sobre Ordens Militares, organizado pela Câmara Municipal de Palmela – Gabinete de Estudos sobre a Ordem de Santiago.

2004 – Acção de formação em Expressão Dramática com a duração de 25 horas no Centro de Formação Rui Grácio.

2004 – Acção de formação em Hipermedia – Construção de Sites Educativos com a duração de 50 horas no Centro de Formação Rui Grácio. Este plano de formação foi desenhado sobre um projecto que desenvolvi no âmbito da Escola Secundária Dr. José Afonso o qual inicialmente previa que o grupo de professores que o acompanhou apresentaria rotativamente o desenvolvimento de temas e técnicas neste contexto. Optou-se, no entanto, transitar o mesmo projecto para o Centro de Formação Rui Grácio que recrutou um formador especializado e creditado nesta temática.

Experiência Profissional

1980/83 – Monitor em campanhas de Alfabetização e Educação de Adultos em Almada. Participação em programas onde, em conjunto com a transmissão de conhecimentos sobre a escrita, a aritmética e o meio físico e social, eram preparadas acções culturais com a finalidade de sensibilizar os formandos para os diversos meios de comunicação de modo a melhorar a sua integração social.

1981/87 – Professor do Ensino Preparatório. Leccionou Educação Visual.

1987/ – Professor do Ensino Secundário. Antes da Reforma do Sistema Educativo leccionou as disciplinas de: História da Arte, Desenho, Teoria do Design e Geometria Descritiva. Após a R.S.E. leccionou as disciplinas de: História da Arte, Desenho e Geometria Descritiva, Oficina de Artes, Materiais e Técnicas de Expressão Plástica e Tecnologia da Fotografia e Vídeo.

1990/2002 – Professor e responsável pela disciplina de Comunicação Visual no Instituto Português de Fotografia, Lisboa. Esta disciplina de cariz teórico-prático tem o objectivo de municiar os alunos de fotografia dos instrumentos fundamentais que lhes permitam a apreensão dos aspectos mais relevantes do mundo das imagens na sua integração com outras formas de comunicação. Pretende-se, também, apetrechar os alunos com elementos que lhe possibilitem operar com códigos e sistemas de imagens e, concomitantemente, articular mensagens visuais e mensagens sonoras, escritas ou verbais, de forma interdisciplinar que lhes facilite a participação em equipas compostas por pessoas de diferentes formações.

1990/1995 – Assistente em Regime Eventual na E.S.E Jean Piaget, Almada, onde leccionou aos cursos:

Animadores Socioculturais – disciplina Ateliers Artesanais e Artísticos. A composição do grupo tipo de alunos era uma maioria de funcionários autárquicos com responsabilidades nos departamentos culturais, complementarizada por elementos de origens diversas mais vocacionados para múltiplas formas de expressão artística. Porquanto o objectivo era a animação sociocultural, o seu programa obedecia a duas vertentes: uma teórica de integração de aspectos culturais e etnográficos e uma outra de aplicação prática onde eram exercitadas diversas técnicas da construção do “objecto” artesanal e artístico.

Professores do 1º ciclo do Ensino BásicoComunicação não Verbal e Didáctica da Expressão Corporal e Artística. Esta disciplina, integrada no currículo de futuros professores, propunha um conjunto de aprendizagens a serem posteriormente desenvolvidas com os respectivos alunos. Era tratada a expressão corporal e artística enquanto prática e enquanto forma de didáctica, globalizada no campo da comunicação não verbal. No caso da expressão corporal, recorreu-se a jogos dramáticos e a jogos referenciados na dança educativa ou no desporto. No caso da expressão artística, as referências situavam-se no campo das artes plásticas pela exploração das diversas técnicas artísticas, considerando as faixas etárias com que mais tarde os futuros professores iriam trabalhar. Por ser tri-anual esta cadeira possibilitava o apetrechamento do aluno com conhecimentos teóricos e práticos profundos na área da comunicação verbal e não verbal, tanto ao nível do conhecimento das suas estruturas e funcionamento como nas diversas formas de significação e interpretação, estando orientados esses conhecimentos no sentido da construção de situações e objectos, para o que era essencial a aprendizagem de diversas linguagens específicas: visual e plástica, cénica, videográfica e cinematográfica, etc., numa perspectiva teórica que era posteriormente aplicada na concretização de situações, através da construção de objectos e eventos didácticos ou expressivos.

Educadores de InfânciaExpressão Plástica. De acordo com a teoria de J. Piaget, relativamente aos estádios do desenvolvimento infantil, e também dos estudos de percepção visual dos gestaltistas, considera-se que aos diferentes estádios correspondem vários níveis perceptivos e de representação e expressão plástica. Esta cadeira contém elementos teóricos sobre a comunicação exemplificadas através de imagens e formas de expressão plástica tomando sempre em consideração o acto de brincar nas diversas faixas etárias, o que permite a interpretação das diversas tipologias de brinquedos, a construção de materiais lúdicos como marionetes, maquetas, pinturas, recortes, e a exploração de materiais “não estruturados” como as digitintas e as pastas.

1994 – E.S.E Jean Piaget, actividades extra-lectivas: Responsável pela elaboração dos programas das cadeiras de: Geometria, Desenho Básico, Tecnologia e Sistemas de Materiais, Tecnologias de Produção, Mercado de Materiais, Design e Projecção: Bidimensional, Tridimensional e Cor, Equipamentos e Instrumentos Didácticos, integrantes do currículo do curso de Design e Gestão da Construção de Material Pedagógico.

1994/95 – Delegado à Profissionalização de professores no Ensino Secundário (orientação de estágios). Função que consiste no acompanhamento e coordenação de actividades dos professores que frequentam o 2º ano do estágio conducente à profissionalização.

1995/96 – Docente na E.S.E de Setúbal onde leccionou aos cursos:

Curso de Professores do Segundo Ciclo na Variante de Educação Visual e TecnológicaMateriais e Técnicas de Expressão e Comunicação. No contexto desta cadeira cujo objectivo é a comunicação através das artes plásticas, desenho, pintura e escultura, foram tratados entre outros, os seguintes aspectos: no domínio do desenho este foi tratado tanto como objecto quanto como projecto permissor da construção dos elementos significantes em pintura e escultura; em pintura foram explorados diversos dispositivos para significar e simbolizar através das formas, das cores e da plasticidade das matérias; na escultura foi tratada a questão do múltiplo enquanto difusão de uma imagem tridimensional nos géneros de vulto completo e baixo relevo. Pelo seu interesse e originalidade com que algumas destas áreas foram trabalhadas procedeu-se ao seu registo em vídeo.

Arte e Informática – Após uma abordagem histórica e funcional da informática foram tratados temas relacionados com a arte e o design, com o objectivo de habilitar o estudante a fazer projectos artísticos utilizando as aplicações informáticas mais adequadas. O resultado final destes projectos poderá ser a sua utilização na área do design de comunicação pela via das artes gráficas ou a sua inserção na construção de produtos multimédia.

Curso de Comunicação Social – Arte e Comunicação. Esta disciplina constitui um espaço de partilha entre os fenómenos artísticos e os processos da comunicação. Um poema, um romance, uma pintura, um videograma, um filme, uma fotografia, um tema musical, um trecho teatral, uma performance, uma instalação, uma obra de arquitectura, um objecto de design, uma escultura, um bailado podem ser considerados como uma “coisa artística” e serem tratados do ponto de vista da comunicação, procurando elos de ligação entre os seus meios, as suas linguagens e os aspectos de intervenção social.

1996/97 – Assistente em Regime de Acumulação na E.S.E. de Santarém onde leccionou aos cursos:

Curso de Professores do 2º Ciclo Variante de Matemática e CiênciasEducação Visual. Disciplina de carácter teórico-prático tendo em vista aflorar e desenvolver as capacidades de síntese, criação e comunicação, considerando os vários campos implícitos ao conceito de Educação Visual.

Curso de Animação Cultural e Educação ComunitáriaEducação Visual. Conteúdo programático idêntico ao descrito, embora adaptado às características específicas da animação cultural e educação comunitária.

2002 / 2003 – Coordenador do Departamento de Artes e Tecnologias da Escola Secundária Dr. José Afonso, Seixal.

2003 – Responsável pela participação da Escola Secundária Dr. José Afonso no evento europeu Primavera da Europa. Este programa juntou cerca de 5500 escolas de diversos países que no dia 21 de Março realizaram várias actividades culturais e desportivas como forma de reflectir sobre o futuro da Europa. Este programa encontrava-se disponível na Rede Informática Mundial (Internet) em: http://futurum-21.eun.org/index_spring.cfm?lang=pt

O relatório de participação da Escola Secundária José Afonso encontrava-se disponível em: http://futurum-21.eun.org/content.cfm?id=717&lang=pt

2004 – Responsável pela elaboração do projecto Comenius aprovado para a Escola Secundária Dr. José Afonso, o qual possibilitou a um grupo de professores e de alunos desta escola trocarem experiências e viajarem para encontros escolares ao estrangeiro, nomeadamente à Alemanha e à Finlândia. Estive ausente destes encontros por após tratar de todo o projecto, incluindo a sua aprovação, entrei em Licença Sabática para efeitos de investigação para o Doutoramento em curso. Deleguei responsabilidades e não voltei a acompanhar este processo.

Experiência Cultural

1982 – Participação enquanto actor na ópera para crianças, Pinóquio, no teatro da Trindade, em Lisboa.

1983/85 – Concepção e execução de cenários e figurinos para Teatro, em Almada e Lisboa. Contacto com o teatro convencional fazendo duas cenografias e figurinos para as peças Jorge Dindin de Moliére e A Ilha dos escravos de Marivaux, que se realizaram em Almada.

1986 – Participação no 15º Festival Internacional de Cinema da Figueira da Foz e no 42º Encontro Nacional de Audiovisual, Lisboa 86, com a realização do Vídeo: Jogar ao cinto.

1984 – Teatro Terapêutico: concepção e execução de cenários e figurinos para a peça de As sete notas mágicas, pelo “Grupo de Teatro Terapêutico do Hospital Júlio de Matos”. Os actores eram doentes com diversas patologias do foro psicológico e o trabalho era gerido por uma equipa composta de psicólogos, um encenador, um técnico de vídeo, um técnico de montagem teatral e um técnico de cenografia, função que ocupou.

1985 – Teatro Terapêutico: concepção e execução de cenários e figurinos para a peça de David, Onda de Neve e o Príncipe Insul, promovida pela Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal. No caso da A.P.D.P., o trabalho dirigia-se aos jovens e tinha como finalidade contribuir para a integração e valorização social dos jovens afectados pela diabetes.

1986 – Konstelação, exposição colectiva de pintura e escultura na Galeria da E.S.B.A.L.

1987 – Transcendência Postura e Organismos, programa de exposições de Pintura/Instalação/Escultura em conjunto com mais dois artistas enquanto proposta estética

Faculdade de Letras da U.L., Galeria de Exposições, 17 de Março.

Espaço Poligrupo/Renascença, 2 de Abril.

Cisterna da Escola Superior de Belas Artes, 6 de Abril.

1988 – 1ª exposição individual, “Sistemas de Ordem”, Escultura, Pintura e Desenho na Galeria Monumental, Lisboa.

1988 – “Plurais e Diferentes…”, exposição de estudantes da E.S.B.A.L., no Palácio do Egipto em Oeiras, – prémio de Aquisição.

1989 – 2ª exposição individual, “Desenhos Belos”, no Clube 50, Lisboa.

1994 – Intercâmbio de Conhecimentos (Escola Secundária José Afonso), formação de professores na escola, em informática. Este projecto teve a particularidade de ser extra-curricular, tendo-se processado do seguinte modo: um grupo de professores, pretendendo formação abrangente em informática na óptica do utilizador, solicitou-me essa formação, ao que acedi graciosamente.

1995 – Intercâmbio de conhecimentos (Escola Secundária José Afonso), temas de atelier de Artes Plásticas: participação com os temas de Fotografia e Vídeo e Noções de Moldação e Fundição. Adoptando a designação acima, dinamizou-se uma partilha de conhecimentos, agora integrados no contexto do grupo disciplinar (5º grupo).

1995 – Organização do Festival de Vídeo e Multimédia Seixal-95.

Evento de concepção pioneira, de minha total responsabilidade, com actividades na área da videografia, multimédia e expressão cénica. Sediado na Escola Secundária José Afonso este projecto esteve aberto à participação de todos os sectores da comunidade, tendo sido premiados os melhores trabalhos de cada uma das secções.

A Câmara Municipal do Seixal, a E.S.E. de Setúbal, o I.I.E., o C.P.A.I. prestaram diferentes tipos de apoio. Diversas empresas da área do multimédia, entre as quais a Versus – Projectos, Informática e Formação, Lda, acederam a fazer uma mostra dos seus produtos e alguns destes produtos constaram da lista de prémios distribuídos.

1996 – Produção do espectáculo cénico: Daqui & Dali, com o grupo de intervenção Cénica, As Três Graças.

1996 – Participação no projecto “Arte no Fim do Século” com uma conferência sobre Arte e Multimédia, Barreiro.

1996 – Participação na organização dos Encontros Fotográficos do Instituto Politécnico de Setúbal, Olhares.

1996 – Organização de uma conferência, no âmbito dos “Encontros Fotográficos” do Instituto Politécnico de Setúbal, Olhares, sobre o tema: Aplicações Técnicas da Fotografia e Imagem. Participação na mesma com uma comunicação sobre Fotografia e Multimédia. Intervieram especialistas nas áreas da Termografia, Metalografia, Fractugrafia, Holografia, Ecocardiografia.

1997 – Cenografia para a peça de teatro “Tolerar os Tolos”, representada na CULTURGEST, pelo grupo de “Teatro Terapêutico do Hospital Júlio de Matos”.

1997 – Logotipos, bandeira e restantes elementos de imagem, para a AFAS, “Associação de Famílias e Amigos dos Surdos”.

1997 – Capa para o livro de Poesia “Bouquet de Antinomias” de Augusto Deodato.

1998 – Participação no Colóquio Temático, Estudos de Lisboa, Séculos XV – XIX, promovido pela “Associação dos Arqueólogos Portugueses” e pela “Comissão de Estudos Olisiponenses” com a comunicação: Sobre Arte Pública, Lisboa e os seus Cultos, em conjunto com a Dra. Teresa Bispo.

1999 – Organização e leccionação de um Curso de “Iniciação às Artes Plásticas”, com a duração de 50 horas, englobando desenho, pintura e escultura, o qual foi dirigido à comunidade surda. Este curso foi promovido pela AFAS e contou com o apoio da APS (Associação Portuguesa de Surdos), do SNRIPD; do IAC e da Junta de Freguesia da Lapa.

1999 – Design do desdobrável para a candidatura de Lisboa ao acolhimento do XIV Congresso Mundial da Federação Mundial de Surdos.

2000 – Fotografias da Escola José Afonso. Projecto pioneiro em Portugal, na aplicação corrente das novas tecnologias digitais que consistiu em: fotografia com câmara digital, de alunos, professores e funcionários, na sua actividade escolar quotidiana e edição de autor de um CD, contendo cerca de 500 destas fotografias, devidamente identificadas. Este CD, além das fotografias inclui material didáctico sobre tratamento e aplicações da imagem digital, uma breve história da fotografia, considerando os anos 90 tecnologicamente e um interface multimédia para consulta do mesmo. Todas as etapas: fotografias, programação, edição, gravação, textos e imagens, são da responsabilidade do próprio. Encontra-se um exemplar na biblioteca da Escola Secundária José Afonso.

2002 – De 07 de Março até finais de Julho, desenvolve um site na Internet em http://pwp.netcabo.pt/sitio-z/, com características experimentais e aberto à colaboração de vários participantes. Com este site promoveram-se actividades locais de estudantes, uma exposição organizada pela Câmara Municipal do Seixal, textos de alguns amigos e fez-se alguma investigação genérica sobre as várias tipologias dos recursos da World Wide Web. Este site esteve disponível on-line, mas sem actualização desde Julho 2002 até meados de 2003. A partir de 2004 deixou de estar disponível.

2006 – Publicação do artigo “Quando as palavras são gestos” na colectânea O Gesto e a Palavra I (Antologia de textos sobre a surdez) pela Editora Caminho.

********

Informação acerca de mim: …

ou sobre este “sítio”:…

para os leitores saberem de onde vêm as coisas…

plus tard, später, después, later, mais tarde…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s